Portugal

ALDEIAS AVIEIRAS-UM SEGREDO NO RIO TEJO

aldeias-avieiras

Com a recente reposição do feriado de 1 de Novembro decidimos ir fazer um passeio com o nosso “piqueno” que cada vez está maior.

Há alguns anos, num canal da televisão portuguesa,”SIC”, houve uma reportagem sobre umas aldeias piscatórias  no rio Tejo que nos despertaram a atenção. Apesar de no momento a reportagem ter suscitado alguma curiosidade e interesse nunca mais tínhamos pensado em ir conhecê-las, até este dia. E ainda bem que fomos.

Estas aldeias piscatórias localizadas ao longo do Tejo na sua maioria no distrito de Santarém são algo único no país, cremos. Tal como referimos existem várias, o nosso alvo foi: Aldeia de Palhota.  A aldeia avieira da Palhota é uma aldeia que pertence à freguesia de Valada e ao concelho do Cartaxo.

“Rua” da Aldeia Avieira da Palhota

E perguntam vocês: “Mas aldeia avieira porquê”? A história é simples. Todas estas aldeias nasceram devido a uma forte imigração de pescadores vindos da Praia da Vieira no início do séc.XX, no concelho da Marinha Grande, distrito de Leiria. Todos eles foram em busca de sustento que o mar no Inverno não lhes oferecia, trocando assim a pesca no mar pela do rio. Primeiro sazonalmente mas depois com as melhores condições no Inverno e o cansaço da viagem, foram ficando com as suas famílias vivendo nos barcos ao longo do rio. Por isso lhes chamaram avieiros, os “ciganos do rio”. Por algum tempo viveram nos barcos mas com o passar dos anos os donos das terras das margens do Tejo autorizaram-nos a construir as suas pequenas casas em madeira em cima de estacas e com cobertura de palha ou canas. As estacas eram a defesa contra as cheias do rio que ainda nos dias de hoje e Invernos mais rigorosos são bem úteis !

Casas típicas com estacas, aqui em cimento, mas antes eram de madeira

 

Casa Típica da Palhota

Reparámos que ainda vivem aqui pessoas, descendentes dos pescadores do incício do séc.XX. Aqui sim, ainda restam alguns, mas a maior parte destas aldeias estão abandonadas e muito descaracterizadas, o que é pena, tudo isto conservado teria um brutal potencial turístico, mas como muitas vezes é apanágio no nosso país, visão de longo prazo é algo escasso nas cabeças de quem nos governa.

A aldeia avieira da Palhota tem a particularidade de ter sido a casa de Alves Redol (1911-1969), um grande escritor português que muito escreveu acerca do Tejo e das suas gentes. Foi aqui também filmado um documentário “Avieiros “ em 1975 pelo realizador Ricardo Costa que retrata a vida dos pescadoras da aldeia da Palhota.

Barquinho no pontal

Foi muito relaxante, o rio aqui é silencioso, apenas se ouvia o falar de alguns simpáticos habitantes que estavam sentados a conversar numa espécie de ponto de encontro e o chilrear de alguns pássaros.

dsc06204

Vimos algumas indicações que julgamos ser de pequeno estabelecimento familiar que deverá servir uns petiscos, mas não percebemos se estava em funcionamento ou não…

dsc06194

A Palhota não terá mais de uma dezena de casas, uma delas é um projecto chamado “Palhota Viva ” da Associação de Defesa do Ambiente e da Câmara do Cartaxo. Nasceu em 1988, quando foi adquirida a casa de um pescador, com a intenção de transformá-la na «Casa do Avieiro»para funcionar como centro de acolhimento ou casa abrigo. Actualmente, recebe pequenos grupos de escuteiros e estudantes.

Casa do Avieiro

dsc06201

Não havia mais ninguém a visitar a aldeia. Sabemos que os portugueses de uma forma geral (já foi pior) passeiam pouco pelo seu país, em comparação com outros povos do mundo, temos muitas maravilhas, esta, até pela história que está por detrás parece-nos bem interessante. É apenas uma opinião nossa, e não nos levem a mal, esperamos com este post dar uma pequena e humilde contribuição para que mais pessoas se interessem por este tipo de locais.

Vimos aqui grande potencial para “ressuscitar” muitas destas aldeias, quiçá com um turismo responsável e sustentável.

E foi assim o nosso “quente” feriado de Todos os santos.

Mais em baixo deixo-vos indicação de como podem encontrar esta pequena preciosidade do nosso país.

Um pouco antes da Palhota se vierem pela outra margem ainda poderão passar por uma ponte belíssima do inicio do séc.XX que foi transformada de ponte ferroviária para ponte rodoviária.  A ponte Rainha D.Amélia.

Ponte D.Amélia

 

Na aldeia da Palhota e noutras do géneo não temos conhecimento de haver alojamentos, pelo que deixo a sugestão da Vila do Cartaxo que fica bem próximo tanto da Aldeia de Palhota como de Escaroupim do outro lado da margem.

RESERVE O SEU ALOJAMENTO NA REGIÃO AQUI NO NOSSO PARCEIRO: BOOKING.COM

Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. VOCÊ NÃO PAGA MAIS, e nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguiremos manter e até melhorar ainda mais o nosso blog ! OBRIGADO !

ALDEIA DE PALHOTA

Como chegar:

 

19 Comments

  • Reply

    Paloma

    12 Novembro, 2016

    Ai que delicia de passeio, lindas fotos, muito legal! Bjs

  • Reply

    Katia

    12 Novembro, 2016

    Lindas fotos! Realmente Portugal é um lugar incrível!

    • Reply

      projecto100rota

      13 Novembro, 2016

      Obrigado Katia, boas viagens !

  • Reply

    Dani Bispo

    12 Novembro, 2016

    É uma pena que Portugueses (e Brasileiros em geral) explorem tão pouco Portugal. Cada post que vejo em seu blog me surpreendo com tantas belezas. Agora que moro aqui na Europa quem sabe não consigo explorar melhor.

    Bjs
    Dani Bispo

    • Reply

      projecto100rota

      13 Novembro, 2016

      Em muitos lugares vejo muitos Brasileiros hoje em dia, em certos locais até mais que portugueses !Ainda bem que gostou do post ! Bjs Boas viagens !

  • Reply

    Documentar o Mundo

    12 Novembro, 2016

    Olá Francisco: gostei muito do teu post. Também tenho muito interesse nas aldeias avieiras e já conheci algumas. Aconselho a visita ao Escaroupim (http://www.documentaromundo.com/2014/10/de-salvaterra-de-magos-aldeia-do.html) e Póvoa de Santa Iria (http://www.documentaromundo.com/2014/10/de-salvaterra-de-magos-aldeia-do.html). Bons passeios!

    • Reply

      projecto100rota

      13 Novembro, 2016

      Olá !! Nós passámos em Escaroupim mas o filhote estava a dormir e não quisemos acordá-lo. Parece ser muito fixe sim, fiquei com a ideia que bem explorado tem potencial isto das aldeias avieiras.Vou dar uma olhadela no seu post, claro ! Boas viagens ! Ainda bem que gostou !

  • Reply

    Flávia Donohoe

    13 Novembro, 2016

    que lugar lindo, adorei a foto dos barcos e essa da ponte, realmente tudo muito bonito! Quero fazer em breve uma viagem por Portugal, o país é lindo e cheio de gente melhor ainda ?

    • Reply

      projecto100rota

      13 Novembro, 2016

      É lindo Flávia, quando vieres diz algo ! Boas viagens !

  • Reply

    Itamar Japa

    13 Novembro, 2016

    Que encanto de lugar! Adorei!!! É um belíssimo segredo!
    Obs. São tiros nas placas???

    • Reply

      projecto100rota

      13 Novembro, 2016

      É mesmo um segredo, até para muitos portugueses !! Sim foram tiros de certeza, alguns cowboys perdidos hahaha

  • Reply

    Lidiane Albuquerque

    13 Novembro, 2016

    Um charmes essas aldeias ! Muito legal explorar lugares não tão frequentados por turistas. Portugal tem muito a se explorar. 😉

    • Reply

      projecto100rota

      13 Novembro, 2016

      Muito poucos visitam estes locais, são mesmo charmosas e contam a história difícil de um povo !

  • Reply

    Ana Carolina Miranda

    13 Novembro, 2016

    Essa aldeia parece muito encantadora, pena ter poucas pessoas visitando, né? Mas gostei muito da dica!

    • Reply

      projecto100rota

      13 Novembro, 2016

      Por um lado é pena mas por outro se fossem inundadas de pessoas visitando poderiam perder seu carácter, boas viagens !

  • Reply

    Essas vilas pitorescas, mesmo mostrando a alma real de certos sitios, muitas vezes são deixadas de lado. E não é só em Portugal. Percebe-se, no Brasil, que muitos destes locais (mesmo os “vivos”) ficam de lado no planejamento turístico em detrimento a locais onde houve aplicação de recursos empresariais. Uma pena. O turista é levado a locais construídos, enquanto aqueles cuja vida se incumbiu de fazer não são conhecidos.

    • Reply

      projecto100rota

      13 Novembro, 2016

      É isso mesmo luís e Lislaine, não diria melhor ! A alma real, o carácter, tudo ali conta uma história de vida ! Obrigado, boas viagens !!

  • Reply

    Larissa Pereira

    13 Novembro, 2016

    Que passeio lindo, adorei! São as coisas simples que muitas vezes mais marcam uma viagem! Que bom que vocês resolveram visitar este lugar tão lindo!

    • Reply

      projecto100rota

      15 Novembro, 2016

      Ainda bem que gostou Larissa ! Boas viagens !

Deixe uma resposta