Israel, Médio Oriente, Palestina

Jerusalém mais perto do céu | por Ana Cancela

Jerusalém desde o Monte das Oliveiras, foto Projecto100rota

A Ana Cancela é viajante desde sempre, com apenas alguns meses já tinha passaporte e, nas suas viagens pelo mundo, apaixonou-se pelo Médio Oriente e pela Ásia. A vontade de trazer um pouquinho da Ásia para junto de si foi tanta que há 10 anos abriu no Porto a Kuri Kuri, a primeira loja do país dedicada exclusivamente ao país do sol nascente. Adora escrever e reparte os seus textos pela Comunicação Social e por isso convidei-a a partilhar um pouco do seu fascínio pelo Médio Oriente connosco, vamos?

JERUSALÉM MAIS PERTO DO CÉU, por Ana Cancela

Os miradouros sempre me fascinaram desde criança. Talvez por nos permitirem uma visão muito ampla, e por isso mais completa, daquilo que permitem observar, para todos os locais que viajo procuro sempre visitar muitos. Da minha mãe herdei o gosto pelas cidades à noite, do meu irmão apreciar as cidades vistas do alto. Por isso, Israel marcada na agenda e avião comprado, a primeira recomendação imperdível que escrevi no caderno de viagem foram estas duas palavras, Hospício Austríaco.

Nenhuma viagem a Israel e à Palestina estará completa sem uma visita a Jerusalém, e em Jerusalém, o seu maior encanto, quer pela carga histórica que carrega, quer pelo peso emotivo que dela emana, é a parte antiga, a dita Cidade Velha, aquela que mais fascínio provoca a gerações sucessivas de povos há mais de três mil anos.

Porta de Damasco, uma das entradas na cidade velha, foto Projecto100rota

Situada estrategicamente no Planalto da Judeia, entre os Mares Morto e o Mediterrâneo, Jerusalém é uma das cidades mais antigas do mundo e adorada tanto por cristãos, judeus e muçulmanos, foi nela que as principais religiões monoteístas nasceram.

É nesta profusão de referências que mergulhei mal visitei a cidade pela primeira vez. Depois de um dia inteiro, completamente deslumbrada, a percorrer os quatro bairros dentro das Muralhas, o judeu, muçulmano, arménio e o cristão, deixo passar as horas de maior calor e azáfama para ir ver o pôr-do-sol num dos segredos da Cidade Velha. Percorro de novo a Via Dolorosa, aquela que é um dos caminhos mais sagrados para o Cristianismo, sigo os passos que Jesus deu até ao seu sepulcro (hoje a Igreja do Santo Sepulcro) e paro perto da Terceira Estação. Com cuidado, abro o meu caderno de viagem em frente a uma porta vermelha e leio alto, Austrian Hospice. Chego finalmente ao meu miradouro.

Vista sobre os telhados de Jerusalém, foto de Ana Cancela

Não muito longe da famosa Porta de Damasco, o Hospício Austríaco da Sagrada Família foi construído em 1863 e já foi hospital, prisão, albergue de peregrinos e hoje funciona como hotel, com uma cafeteria vienense aberta ao público com um tranquilo jardim oásis e, no seu último andar, um miradouro que permite deslumbrar a parte mais antiga da cidade. Ver o sol a esconder-se atrás das cúpulas das mesquitas e das torres das igrejas, ao som dos muezzins que cantam a última oração do dia, é das imagens mais marcantes que para sempre guardarei na memória. Um miradouro que é uma pérola de beleza e tranquilidade. Um postal ilustrado inesquecível.

Interior da Igreja do Túmulo de Maria, Jerusalém, foto Projecto100rota

Ana Cancela | Líder de viagens na Landescape, para mais informações aceder a: landescape.pt

Deixe uma resposta