A Nossa Maior Viagem, Dicas

VIAJAR E A VELHA QUESTÃO: “GOSTAVA MUITO, MAS NÃO TENHO DINHEIRO!!”

Desde que decidi dar um rumo diferente à minha vida e comecei a viajar com mais regularidade, há uma ou duas frases que me são recorrentes ouvir de quem me é mais conhecido, ou até mesmo próximo. “Como é que fazes para viajar tanto?” ou “Gostava muito, mas não tenho dinheiro!”

Posto isto, decido escrever este artigo para que de alguma forma desmistifique algumas ideias nessas cabeças e de uma vez por todas, botem o pé na estrada!!! CASO O QUEIRAM REALMENTE FAZER, vamos a isso ?

1-Viajar

Em primeiro lugar, para mim viajar não tem de ser necessariamente para um lugar longínquo. Viajar para mim é “estar” mas noutro lugar diferente e pode ser no próprio país ou até na própria terra. Viajar muito também não significa para mim passar muitos dias fora. Podemos ter uma melhor experiência no só dia do que numa semana.

Para mim viajar é tentar ao máximo conhecer o modo de vida local. Seja através de uma simples refeição, da cultura, nas tradições, ou a apreciar a natureza. Dependerá muito do nosso estado de espírito e da nossa abertura para absorver o que queremos.

 

2-É preciso muito Dinheiro

É preciso dinheiro, sim, mas quanto “dependerá  muito do que entendes por viajar e do que queres fazer.” 

Este é o ponto chave. Já fiz uma viagem ao Irão com a Carla em que durante quase 4 semanas gastámos os dois cerca de 800€ já com avião incluído.

Como ? Aproveitámos uma promoção da Iberia -Lisboa-Istanbul- em que para os dois a viagem ficou em 300€ com o senão depois de demorar mais uns dias no transporte de Istanbul para a fronteira Turquia-Irão. Depois optámos por hotéis baratinhos –e nem sempre os mais recomendáveis a nível de limpeza– ou dormir em casa de pessoas que nos convidavam. Já no comer não olhámos a despesas…

Posto isto, percebem onde quero chegar ? Claro que nem todos nós estamos predispostos a isto, e é perfeitamente natural, ainda bem que somos diferentes. Mas é uma possibilidade, e quando queremos muito algo, temos de ir em busca.

 

3-A velha máxima “Querer é poder”

Dou-vos o meu exemplo. Comecei a viajar mais desde que decidi mudar de vida, deixei de ter um emprego estável e o consequente ordenado certinho ao fim do mês. Verdade que viajo agora também a nível profissional nos grupos que lidero, ainda assim –e não o escondo- as minhas capacidades financeiras alteraram-se, principalmente no que diz respeito à perspectiva a curto prazo do mês seguinte . Foi por isso que deixei de viajar ? Não.

Mas não há segredos, quando não se anda a nadar em dinheiro temos SEMPRE de tomar opções, definir prioridades e fazer escolhas na nossa vida se queremos continuar a fazê-lo, mas também como sempre fomos pessoas de não ambicionar bens materiais de uma forma muito intensa não nos custa nada fazê-lo.

Seguem alguns exemplos do que fazemos  -algumas já fazíamos- para poupar dinheiro para as nossas viagens:

1-Roupa: A não ser para o miúdo, cá em casa roupa é quase só na época natalícia e mesmo assim terá já de estar muito desgastada para deixar de ser usada. Nunca andámos nus.

2-Idas ao café/pequenos almoços/jantar fora: Nunca tivemos esse hábito, nada contra como é óbvio, mas ainda bem, tudo somado ao final do mês daria uns bons 50/100€, agora somem ao final do ano. Dava para uma baita de uma lua de mel, não?

3-Carro(s): Já pensámos em trocar de carro. Nomeadamente o mais velhote que já conta quase 450.000km, mas as mudanças de óleo, pneus etc…são tão baratinhos… Além de que com a mudança de estilo de vida já não precisamos tanto dele. Vai andando. Gastar dinheiro em carros, seja na oficina ou outro tipo de gasto, custa-nos mais do que pagar uma multa, pois aí a culpa é nossa. O perfeito seria deixar de necessitar dele.

4-Reduzir as idas ao cinema/teatro/futebol/concertos: Neste ponto até gostaríamos de frequentar mais vezes, principalmente no cinema, mas com o nascimento do nosso pequenote tornou-se mais difícil, então a questão passa um pouco ao lado. Por certo voltaremos à carga quando ele for maior.

5-Jogar no Euromilhões: Parece irrisório, mas por causa da brincadeira de pensar nos milhões facilmente se gasta 10/20€ por mês se for preciso. Valerá mesmo a pena?  Mais uma vez, somem esse valor ao final de 1 ano ou 2.

6-Gasto no supermercado: Nem sempre o que trazemos do supermercado é mesmo essencial para o nosso dia a dia, e nem nos apercebemos. O que fazer? Bolachas e guloseimas fora. Sumos e refrigerantes fora. Bebidas alcoólicas fora. Revistas, livros e jornais, quase fora.

7-Fumar: Há muito que um cá de casa deixou de o fazer. Em boa hora. Menos uma prestação.

8-Telecomunicações e telemóveis: Reduzimos o pacote de TV ao mínimo. Não fazia sentido só para ter mais canais em alta definição em repetição. Nada de canais  “premium” ou desportivos. Já viram o dinheiro que poupariam se fizessem o mesmo? Uma poupança que ao fim do ano pode chegar facilmente aos 300/400€. Ainda estamos a ponderar desligar o TV CABO.

O telemóvel hoje em dia é mais do que um objecto para fazer chamadas. Mas no fundo é só para isso que ele é essencial. Há quem o utilize para trabalhar com o aumento das suas funcionalidades e de facto dá muito jeito. No resto é um brinquedo giro. Giro, mas pode ter um custo bem puxadote.

9-Passar fins de semana fora: Neste tópico cortámos bastante. Não que o fizéssemos todos os fins de semana. Longe disso. Aproveitávamos sim feriados ou fins de semana alargados para fugir à nossa apressada rotina de Leira-Coimbra-Leiria-Lisboa. Hoje compensamos com mais passeios à beira mar nas nossas belas praias do Oeste, ou mesmo comendo um gelado pelas ruas da nossa cidade.

10-Ter filhos: Para nós é AINDA MAIS UM PRETEXTO PARA BOTAR O PÉ NA ESTRADA. Sim, fica tudo mais caro. Alojamentos, avião…mas continua a ser possível, ou espaçamos mais as viagens podendo angariar mais dinheiro para compensar o custo, arranjamos forma de ganhar mais algum dinheiro ou ainda de certeza que lá no fundo da nossa competência financeira havemos de arranjar solução para conseguir poupar AINDA mais. Por isso o ter filhos para nós, nunca será um impedimento.

11-Fazer um mealheiro: Muito importante. Se puderes define um valor diário ou semanal, mas se não coloca o que conseguires. Ao final do ano dar-te à muito prazer contar aqueles 50,100,200,300€ . É sempre a somar!!!

Por tudo isto pensamos que na maior parte dos casos tudo se resume a uma questão de opções e prioridades. Seja de que forma for, caminhar com mochila às costas, andar de transportes, pedir boleia, ficar em resorts com tudo pago e contratar motorista, ou ficar em dormitórios de chão de areia no Sudão , o que é preciso é que cada um defina o que quer, e consoante as possibilidades no dia a dia cada um “trabalhe” para alcançar esse objectivo. 

 

POR FAVOR NÃO INTERPRETEM ISTO COMO UM GUIA OU LIÇÕES DE QUAISQUER ESPÉCIE, SOMOS TODOS ADULTOS E CADA UM FAZ O QUE QUER E BEM ENTENDE. SÓ QUERO ALERTAR QUE POR VEZES ESTAMOS TÃO EMBRENHADOS EM FRASES, OBSTÁCULOS E IDEIAS FEITAS NO NOSSO ATAREFADO DIA A DIA QUE ACABAMOS POR NÃO TER TEMPO SEQUER DE PENSAR QUE AFINAL PODE SER POSSÍVEL.

 

É MAIS FÁCIL DO QUE PARECE. BASTA QUERER.

Boas viagens!!!

Francisco Agostinho

 

Deixe uma resposta