Omã

OMÃ-Muscat, a capital das 3 cidades

Cheguei ao Aeroporto Internacional de Muscat bem cedo. Tudo correu como previsto com o meu vôo British Airways que teve escala em Londres e me trouxe até à capital do Sultanato de Omã, tocando em solo Omanita por volta das 7 da manhã.

Tendo chegado dentro do horário, o meu único plano à chegada era o de ir directamente do Aeroporto até à Grande Mesquita Sultão Qaboos.  E cumpri! Fui assim directo à zona dos táxis, que é muito fácil de encontrar, é só seguir a indicação da saída. Também há autocarros mas como ainda não tinha a certeza de como fazer optei logo por ir de táxi.

Agora sei que para apanhar os autocarros urbanos, da empresa estatal Mwasalat é bastante fácil também, e bem mais barato! Mais abaixo explico como.

Tome nota: procure os táxis laranjas e brancos e não os azuis!! Os azuis são mais caros porque só fazem transfer de/e para o aeroporto, os  “laranjas” são os táxis “correntes”, digamos. Já sabe, em Omã os taxis não têm contador. Portanto, regateie. Sozinho vai pagar mais, se esperar e fizer ver ao condutor que pretende partilhar o táxi então fica bem mais leve ao nosso bolso. Como estava a “apalpar” terreno não discuti muito e paguei 4 OMR(RIAL) por uma corrida de 12km, cerca de 10€, não muito mais tarde percebi logo que tinha sido exagerado. Pague 2/3 OMR sozinho e 1 OMR se for partilhado. Se pretender ir para o centro de Muscat (Ruwi ou mesmo Mutrah) não deverá pagar mais do que 6 OMR sozinho. Poderá optar pelos Mini-bus que são táxis mas que transportam mais pessoas, normalmente são carrinhas tipo Hiace, estes a nível de preços são muito bons comparados com os táxis mais pequenos, também estão identificados com as cores laranja e branco ou somente em branco.

                          Sinal de paragem dos autocarros urbanos de Muscat 

Estava cansado, mas nada disso me impediria de cumprir o meu plano e em vez de procurar dormida e descansar quiçá um pouco, fui logo carregado de mochilas ver a Grande Mesquita. Sou assim.

Avisto a mesquita ao longe. O branco é tão forte que quase encandeia a vista. Ali estou eu pronto para iniciar a minha aventura na península arábica.

Grande Mesquita Sultão Qaboos bin Said Al Said

Esta Mesquita construída já no Séc.XX nasceu fruto da vontade do actual Sultão em que o povo Omanita tivesse também a sua Grande Mesquita como já têm outros países árabes. Assim, no início dos anos 2000 ficou pronta esta magnífica obra da arquitectura islâmica moderna.

A Grande Mesquita é a maior de Omã e pode acolher cerca de 20,000 fiéis no total das salas interiores e da área pavimentada exterior. Tem 4 principais secções: a área principal de oração, a área de oração feminina, biblioteca e área de leitura.

O lustre da área principal de oração tem “só” 14 metros e foi fabricado na Alemanha. Mas o destaque vai para o seu tapete persa de peça única que cobre toda esta sala, é o 2º maior tapete do mundo, pesa 20 toneladas, cobre uma área de cerca de 4000m2  e demorou 4 anos a ser produzido, inteiramente à mão através de várias técnicas tradicionais iranianas. 

Impressionou-me tudo isto, mas mais ainda a limpeza do local, tanto assim é que reparei que nas áreas exteriores quase todas as pessoas andam descalças.

Os não-muçulmanos podem visitar a mesquita das 8 ás 11 da manhã de Sábado a Quinta. Os visitantes deverão vestir-se de modo conservador, isto é: Para os homens não usar calções e para as mulheres cobrirem o cabelo, os ombros e os braços.

Interior da área principal de oração

Lustre da sala principal

Estudantes da escola islâmica saem das aulas

Dei por muito bem empregue o tempo que aqui passei, é majestoso sem ser megalómano. Para mim um “must see” se vier até Muscat.

Demorei quase a manhã toda aqui. Além da visita às salas propriamente ditas, no fim existem uma espécie de salinhas onde lhe são oferecidas deliciosas tâmaras acompanhadas de café ou chá ao mesmo tempo que especialistas em religião islâmica metem conversa consigo, não no sentido de o evangelizar mas de o enquadrar e explicar um pouquinho o que é isto do islamismo, pelo menos foi esta a minha interpretação. Permaneci aqui algum tempo. Não que estivesse muito curioso em perceber milhares anos de história, mas sim para descansar e beber água, e apreciar as conversas. Lá fora o calor apertara.

Repostas algumas energias Muscat me aguardava.

Muscat é uma cidade um pouco diferente do que estou habituado. Porquê? Porque não é propriamente uma cidade compacta, eu diria que são 3 !

Muscat nova: Zona muito residencial que posso dizer começa na zona do aeroporto e da grande Mesquita com grandes hotéis, embaixadas, edifícios governamentais, modernos shoppings e restaurantes, e prolonga-se até à zona do lindíssimo edifício da Royal Opera house (que merece uma visita).

Ruwi: Coração comercial de Muscat, com lojas de tudo o quanto é espécie e conhecida por “Little India” devido ao enorme número de população indiana que aqui vive, mas não só, bengalis e paquistaneses convivem aqui harmoniosamente também. Se gosta de comida indiana/bengali não se preocupe, vai ficar satisfeito com a oferta. Há também muitas opções de alojamento aqui a preço mais em conta comparativamente a Muscat(nova). Diria que aqui é a Muscat de média idade.

Old Muscat/Mutrah: Aqui foi a Muscat por quem me apaixonei, mas dentro ainda “desta Muscat” devemos subdividi-la em duas…

Muscat velha é onde se situam os dois fortes construídos pelos portugueses o Al-Mirani e o Al-Jalali (em que não é permitido a sua visita). O palácio real com vista para os dois fortes, o Museu Nacional, e outros museus também interessantes que contam a história do Sultanato como o Bait Al Zubair. Mas mais do que os edifícios adorei todo o cenário do casario branquíssimo espalhado e escondido pelas agrestes montanhas escuras de calcário só suavizadas pelo azul do mar.

Mutrahquanto a Mutrah é simples, até à descoberta do petróleo era a principal zona de comércio da cidade devido sobretudo ao seu belo e funcional porto. Na realidade nos tempos antigos era apenas uma simples aldeia piscatória, mas com a chegada dos portugueses o seu porto foi ganhando cada vez mais importância. Com o passar do tempo como que se “juntou” a Muscat e Ruwi.

Em Mutrah com uma localização que faz todo o sentido, adjacente ao porto e em plena corniche temos o Mutrah souk. Sendo aqui que chegavam todos os produtos vindos do comércio com o Oriente é fácil deduzir que será um dos bazares mais antigos da península arábica. Gostei, irá sentir o cheiro do incenso por todo o lado, pois o incenso é o produto nacional de Omã, e quase todas as lojinhas têm os seus queimadores a funcionar além de o venderem também. No entanto não querendo ser desmancha prazeres, aviso desde já que para quem já visitou outros Souks como o de Marraquexe, por exemplo, não irá ficar de queixo caído, (minha opinião).

Uma dica em jeito de segredo: Aconselho-o a atravessar todo souk, e sair na porta oposta ao mar, siga em frente por entre as ruelas de Mutrah, deambule por aí, às vezes tão perto e basta seguir por outro caminho para nos afastarmos do óbvio. Vai encontrar várias lojinhas (desde pequeníssimos restaurantes, barbearias, mercearias, padarias… genuinamente locais e nada turísticas, irá sentir-se viajar no tempo).

Pernoitando em Muscat num hotel era aqui em em mutrah que optaria por ficar. Todo aquele cenário do porto, da corniche, do castelo, das montanhas, do mar… do estar sentado na “marginal” ou “corniche” como é apelidada vendo o pôr do sol, mexeu comigo.

Mutrah e sua “corniche”

Mutrah e sua “corniche“-II

Palácio real em Old Muscat

Forte “português Al-Jalali”

Lojinha no souk de Mutrah-Muscat

Deixo aqui agora algumas dicas práticas de como se deslocar por transportes vindo do aeroporto:

Antes de mais saiba que o sistema de transportes públicos em Omã é escasso, aliás já referi isso no anterior post. Em Muscat para além do táxi a alternativa é apenas o autocarro urbano da companhia do estado MWASALAT. É ainda um serviço relativamente recente mas está bem sinalizado e cobre as áreas que pretendemos visitar. RUWI em Muscat é onde está situada a estação principal de autocarros, aliás eu não lhe chamaria estação mas sim uma paragem maior no entanto é aqui a plataforma giratória para toda a cidade e país.

COMO IR:

Para a Grande Mesquita OU Mutrah vindo do aeroporto: Táxi “cor de laranja”2/3 OMR/Bus500 Bzs, para o Bus saia do aeroporto (não ligue aos taxistas, faça-se de surdo) cruze todo o parque de estacionamento, procure a ponte pedonal sobre uma grande avenida , atravesse-a e desça, á sua direita há de estar uma paragem, aguarde 10 a 20m e diga ao motorista que pretende ir para a Grande Mesquita. Se quiser seguir directamente sem parar na Mesquita diga ao motorista que pretende sair em: RUWI.

Da Grande Mesquita para Mutrah em “BUS”: Saia da Mesquita por onde entrou e mais uma vez não ligue aos taxistas, percorra toda a área arborizada até à rua em frente, QUANDO CHEGAR A ESSA RUA vire à esquerda até á grande avenida e aí vire à direita, percorra uns bons 800m, irá encontrar mais uma paragem de “BUS”. Aguarde e diga ao motorista que pretende ir para:RUWI, daqui de RUWI terá de mudar de autocarro e apanhar o que passa por Mutrah e Old Muscat. O bilhete para os dois autocarros custará 500bzs (1,50€).

RUWI para Mutrah/Old Muscat: Apanhe o autocarro nº4 (confirme no guichet). Este autocarro é uma maravilha pois percorre toda a Corniche de Mutrah com várias paragens e dá a volta mesmo junto ao Palácio Real em Old Muscat, fiz várias vezes este percurso, cada viagem custa 300bzs(0,80€).

Claro que poderá “esquecer” tudo isto e viajar de Táxi.

ALOJAMENTOS: (considerei apenas alojamentos na zona de Mutrah com boa relação qualidade/preço)

Mutrah hotel:  Mutrah, Muscat, Oman Phone: +968 24798401 [email protected]

Riyam Hotel: Building 3451, Mutrah, 114, Muscat  +968 94455068

Nasser hotel: PO BOX 360, 114 Mutrah, Muscat +96824712418

ENTRADA NA MESQUITA: 2,5 OMR

VISTO “ON ARRIVAL”- 5 OMR ATÉ 10 DIAS/20 OMR mais de 10 dias

1 OMR=2,50€.Aprox.

18 Comments

  • Reply

    Ana

    23 Março, 2017

    As fotografias da Grande Mesquita são impressionantes! Quer o exterior quer os interiores são simplesmente magníficos! Julgo que ainda estou longe de planear uma viagem à Ásia Ocidental (apenas porque tenho algumas viagens que ainda quero fazer antes), mas sempre que leio artigos sobre a área fico encantada! Um dia sei que irei, vai haver tempo para tudo certamente. Gostei muito de ler sobre a Mesquita e as diferentes áreas de Muscat – e as fotografias estão excelentes!

    • Reply

      projecto100rota

      23 Março, 2017

      Obrigado Ana, fico feliz saber que passaste por aqui. Omã é um país lindíssimo.Boas viagens!

  • Reply

    Fábio Junior Alves

    1 Abril, 2017

    Que interessante aprender um pouco mais sobre estes lugares incríveis da Ásia Ocidental, suas dicas são ótimas e ajudam muito no planejamento das viagens, continue com este trabalho maravilhoso!

    • Reply

      projecto100rota

      2 Abril, 2017

      Obrigado Fábio! bOAS VIAGENS!

  • Reply

    Cynara Vianna

    1 Abril, 2017

    Nunca pensei em escolher Omã como destino de uma viagem, mas lendo posts como esse começo a pensar nessa possibilidade e pensar com menos receio a respeito. As fotos estão lindas e o post um ótimo roteiro. Parabéns.

    • Reply

      projecto100rota

      2 Abril, 2017

      oBRIGADO cYNARA, sim pense a sério nessa possibilidade, e Omã é uma óptima escolha!Boas viagens!

  • Reply

    Gabi Pizzato

    2 Abril, 2017

    Relatos completos e bem escritos como este nos trazem para perto locais que podem não estar nos nossos planejamentos. Espetacular a mesquita e o lustre, que belezas! As imagens estão lindas também. Obrigada por compartilhar!

    • Reply

      projecto100rota

      3 Abril, 2017

      Ainda bem que gostou Gabi! Boas viagens!

  • Reply

    Leo Vidal

    2 Abril, 2017

    Que mesquita maravilhosa, cada detalhe revelado nessas fotos…
    Gosto muito de ler seus posts e relatos de Omã porque é um país em que muita gente não pensa em incluir em um roteiro e dessa forma você desmistifica um pouco o destino.

    • Reply

      projecto100rota

      3 Abril, 2017

      Olá Leo, ainda bem que gostou, a ideia é mesmo essa, fico feliz em saber que consegui passar a mensagem, Omã é mesmo muito interessante e tranquilo!

  • Reply

    angela sant anna

    2 Abril, 2017

    otimas dicas, principalmente a do taxi(eu ia no primeiro que aparecesse). sempre acho incrível a arquitetura e a riqueza de detalhes das mesquitas, tudo bem ornado, muita harmonia!!!

    • Reply

      projecto100rota

      3 Abril, 2017

      Olá Angela, é isso mesmo, harmonia! Faltou-me esse adjectivo lá no post hehehe

  • Reply

    Marcia Picorallo

    3 Abril, 2017

    Suas fotos estão lindas e o texto rechado de dicas, parabéns! Logo no começo me identifiquei: “agora eu sei” ahaha Acho que todo blogueiro passa por isso, né?

    • Reply

      projecto100rota

      3 Abril, 2017

      Olá Marcia, pois é todo o viajante experiemnte, logo…erra hehehe Obriado, boas viagens!!

  • Reply

    Uau! Não consigo dizer mais nada 🙂 Que edifícios maravilhosos!

    • Reply

      projecto100rota

      8 Abril, 2017

      Obrigado André! bOAS VIAGENS!

  • Reply

    Edson Amorina Jr

    9 Abril, 2017

    Que viagem mais interessante, não havia pensado Omã como uma opção de destino, mas gostei bastante de conhecer via seu post.

    A arquitetura das grandes mesquistas é linda, né? Talvez por estar longe do que vemos no dia a dia do Brasil, acaba impresionando bastante.

    • Reply

      projecto100rota

      9 Abril, 2017

      Omã é mesmo interessante Edson, considere incluí-la na lista!!Abraço.

Deixar uma resposta