Montenegro

KOTOR-Uma breve passagem por Montenegro

Visitei Kotor apenas de passagem vindo de Mostar na Bósnia-Herzegovina em direcção à Albânia. Esta pequena cidade e a sua baía são considerados  património mundial natural, histórico e cultural da UNESCO desde 1979. Logo aqui estamos bem servidos a nível de argumentação para visitar esta região do Montenegro.

Kotor-Montenegro

A estrada até lá tem muitas curvas e algum trânsito mas a paisagem faz esquecer tudo isso. Pelo meio o autocarro faz uma paragem nos arredores de Dubrovnik na Croácia. Acho que nunca tinha visto tantos turistas em tão pouco espaço e não cheguei a ir ao centro da cidade ! Não condeno os lugares cheios de turistas, afinal “eles” não têm culpa de serem visitados e isso passa-se com Dubrovnik. Deixo para uma outra ocasião, talvez numa viagem em família.

O autocarro parte finalmente rumo a Kotor. Sou um viajante de estrada…algumas vezes para mim o caminho é mais importante que propriamente o destino. Foi o caso. Sou acompanhado por grandes montanhas rochosas e pela cor do adriático tão característico, às vezes esverdeado, às vezes mais azul. Por mim já valeu a pena este dia.

Chego a Kotor já a tarde vai a meio. Sabia que no meio daquela grandiosidade toda o centro histórico é bem pequenino, decidi logo ficar apenas uma noite. Um navio cruzeiro atracado no porto “estraga” um pouco a visão. Entro imediatamente pela porta “principal” da muralha que envolve o centro para fazer o chek in no hostel Old Town que fica bem no interior da cidade. Tudo bem conservado. Limpo. Muitos palacetes. Casas históricas de pedra. Ruas empedradas. Restaurantes bem chiques e boas esplanadas. Lojas para todos os gostos, mais turísticas, menos turísticas. Preços bem razoáveis quando comparado com a sua “vizinha” Croácia. Numa expressão dos nossos irmãos brasileiros, diria que “é uma cidade bem maneirinha“, correcto galera ?

 

 

Para além de percorrer as suas ruelas emaranhadas e estreitas, becos e afins o meu plano para tão pouco tempo aqui ainda deu para subir às montanhas que protegem Kotor e assim poder apreciar de longe este aconchegante local dos balcãs. Assim, depois de instalado no alojamento saio logo para fazer parte de um percurso chamado de “Vrmac” no lado oposto à cidade.

O percurso Vrmac é um caminho empedrado seguindo a linha de uma antiga estrada Austro-Húngara de 1860. Começa na periferia de Kotor e consiste num caminho em zig-zag recortando  florestas rodeadas de campos de rosmaninho e lavanda, passa-se por um forte Austro-Húngaro e por fim sobe-se até ao topo da peninsula de Vrmac.

Este caminho separa a Baía de Kotor da Baía de Tivat e as vistas panorâmicas destas duas baías vão-se tornando cada vez mais espectaculares à medida que atingimos os 766 m acima do nível do mar. É uma caminhada não muito difícil, apesar da subida para qualquer pessoa, incluindo crianças ou pessoas com  mais idade, demora cerca de 4 horas a concluir com várias paragens para fotografar, descansar ou apenas apreciar as vistas.

O final do dia aproxima-se e vou subindo, subindo e cada vez a vista melhora sobre a cidadezinha lá em baixo, mas tenho que regressar…estou sozinho no meio de uma montanha que não conheço e não me apetece ter encontros indesejados por aqui, nomeadamente com alguma espécie animal (menos racional) que ande por ali. Fico feliz  (apesar do cansaço) ter decidido fazer um pouquinho deste lindo percurso mas triste por não ter tempo de ir até ao topo, a recompensa teria sido muito maior.

Volto ao hotel. Próximo passo ? Dar uma voltinha por Kotor mas agora à noite. O processo foi fluído. Procuro um sítio que me pareça o menos turístico possível. É difícil, canso-me de procurar e opto por uma simples pizza e batatas fritas acompanhados de um bom tinto da região. Está feito o dia e a minha visita a Kotor.  Na manhã seguinte havia que apanhar o autocarro em direcção à Albânia. Talvez se acordasse cedo e se me sentisse com forças faria a caminhada agora do lado de cidade, ou seja, contrária à de Vrmac e que se inicia no centro até ao topo, mas mais uma vez eu ficaria a menos de meio nas ruínas de um forte.

Kotor vale bem uma visita. Não só por si mas sobretudo pelo que se pode ver nos arredores.

Mas desculpem lá meus caros…é verdade que Kotor é muito giro, aconchegante, “maneirinho” e “legalzinho” mas eu estou excitado mesmo é com a minha aproximação a um dos países mais…peculiares da Europa, a Albânia e não me arrependi nada de passar por aqui à pressa.Desculpem.

Deixe uma resposta