Omã

NIZWA-Omã, e o seu “Mercado das Cabras”

Cheguei a Nizwa de autocarro vindo de Sur com uma paragem rápida em Muscat. 

Devido à maior proximidade entre as várias atracções que pretendia visitar na região, tinha decidido estabelecer esta antiga cidade omanita como”base”, e por conseguinte seria aqui onde passaria mais dias consecutivos na minha aventura em Omã

Locais a visitar a partir de Nizwa;

  • NIZWA
  • JEBEL SHAMS (Hajar mountains)
  • JEBEL AKHDAR (Hajar mountains)
  • CASTELOS DE BAHALA E JEBREEN
  • ALDEIA DE MISFAT AL ABRIYEEN

Nizwa é uma cidade com muita história, assim como toda a região de Ad Dakhiliyah de qual é a capital. É mesmo uma das mais antigas cidades do Sultanato e também já foi capital de Omã. É uma cidade muito importante a nível religioso com o seu centro de aprendizagem de estudos islâmicos, tendo até sido nomeada como CAPITAL DA CULTURA ISLÂMICA EM 2015.

Considerada por muitos uma cidade algo conservadora e fechada no passado, a partir dos anos 70 com uma ajudinha do novo sultão “abriu-se” ao mundo apetrechou-se com novas infraestruturas nos acessos, saúde e educação o que contribuiu para que esta cidade do interior fosse também incluída nos circuitos turísticos. Turismo esse que entretanto começara a crescer no país.

Entrada de Nizwa

Nizwa é uma cidade muito interessante, mas para mim não foi deslumbrante. O seu Souk muito referenciado nos livros e sites da especialidade não me cativou. É bonito, sim, bem arranjadinho e organizado, mas não é desse tipo de Souk que estava à espera de encontrar aqui. Espero sempre confusão, muita gente, e algum caos para apimentar as vendas. Para quem já visitou outros como o de Marraquexe por exemplo sabe onde quero chegar, aqui certamente não irá ficar boquiaberto mas nem sempre tem de ser assim.

Centro histórico de Nizwa

Cativante sim foi o seu mercado de sexta feira, ou como lhe chamam, o Goat Market”. Tinha altas expectactivas acerca deste evento semanal, tanto assim é que TODA a programação da minha viagem foi à volta deste dia. E meus amigos, a mim correspondeu e de que maneira!

Mais do que os monumentos ou a cidade em si, foi este momento que marcou a minha passagem nesta cidade.

Mas quem estiver principalmente à procura de monumentos, Nizwa tem um impressionante forte para ser visitado e que por sinal é “só” o monumento mais visitado no país. Logo à entrada poderá ver um belo vestígio da presença portuguesa por estas bandas. Não tive oportunidade de o visitar, mas ao que apurei, além destes dois mais do que suficientes motivos para o visitar, o Forte de Nizwa é um extraordinário exemplo da antiga arquitectura Omanita e proporciona uma boa ilustração do modo de vida nos tempos antigos.

Uma curiosidade: A parte mais velha do forte construída pelo sultão Al bin Malik al Kharusi no séc.VIII. Mais tarde no séc.XVII foi renovado pelo sultão Al Yarubi, sultão este muito apreciado na história de Omã dado ser ele um dos responsáveis por expulsar os portugueses do sultanato.

Canhão com Escudo português à entrada do Forte de Nizwa

Rua de Nizwa com a torre redonda característica do forte ao fundo

Centro histórico de Nizwa

GOAT MARKET/SOUK

Meus caros leitores, este foi um dos momentos altos da minha viagem a Omã. Como referi em cima TODA a minha viagem girou à volta do Mercado de Sexta feira de Nizwa. Tendo um dia específico para acontecer assim teve de ser. Pensei muitas vezes, “Será que irá valer a pena?”. Respondo: -“Sim valeu”.

Mas afinal o que tem isto de tão espectacular assim ? Bom, pode ter tudo e pode não ter nada. Tudo depende dos nossos olhos. Mas creio que até o mais céptico irá ficar rendido ao corropio do negócio.

Começam a chegar os primeiros animais

Tudo começa bem cedo. E quando digo cedo digo: de madrugada! Por volta das 5.30h começam a chegar os primeiros vendedores com o seu gado, mas de véspera já muitos pernoitam pelo chão das ruas encostados às suas carrinhas, e como eu também dormi na rua junto deles não perdi pitada!

Chegam cabras, vitelos, camelos, ovelhas… acompanhados dos seus orgulhosos donos. Depois, muito calmamente vão se colocando ao redor de uma espécie de pista circular concebida para a exibição dos quadrúpedes. Várias mulheres exibindo as suas máscaras tradicionais, rodeiam o recinto, umas como que aguardando o momento exacto para poderem iniciar as suas compras, outras simplesmente à espera que os seus maridos façam o melhor negócio possível.

Mas eis que quando eu julgava que a “festa” caminhava para o fim, repentinamente começo a sentir bastante alvoroço ao em volta da pista, fiquei alerta e apressadamente vou espreitar para ver o que se passa.

Tudo se processa de uma forma “telepática”, pelo menos no meu entender. Passo a explicar: Primeiro, e durante bastante tempo andam por ali os interessados em comprar a abordar os vendedores no sentido de averiguar os preços, (eu diria que andam no “engonhanço“) muito eventualmente se acharem boa relação qualidade/preço no animal, compram.

Depois, assim como que num toque de mágica, com o sinal de alguém, ou quiça quando os vendedores começam a perceber que já não vendem nada (penso que é a minha teoria mais correcta) desatam a “correr” à volta da “Pista” com os animais presos a um cordel ou mesmo ao colo e a gritar o preço do dito cujo. Ou seja é o agora ou nunca e a loucura!

Chega a haver homens que são pagos só para fazer aquilo recebendo uma comissãozinha do proprietário caso vendam o bicho, isto é verídico, fonte recolhida junto de um proprietário no local.

Vêm-se bastante turistas aqui, especialmente a partir do meio da manhã, mas não pense que por isso isto deixa de ser genuíno ou é algo encenado. Não é, e já acontece assim à centenas de anos.

Terminada esta enriquecedora experiência tive tempo ainda de dar uma voltinha pelo souk antes de rumar a Bahla e Jebreen, dois preciosos fortes em Omã.

TOME NOTA:

  • O “Goat Market” realiza-se SÓ à Sexta feira, não lhe consigo dizer com certeza se se realiza aos feriados mas creio que não. Não confie em alguns guias e livros que circulam por aí, acredite em mim e chegue cedo, chegar cedo significa 6/6.30h da matina. Se chegar por volta das 9 ou 10h arrisca-se a chegar tarde.
  • O Souk propriamente dito é paradote no resto da semana, por isso se tiver oportunidade de o visitar no dia do Mercado das cabras opte por esse dia e aproveite o outro para visitar o forte.
  • O sítio onde gostei mais de comer em Nizwa é um fabuloso local mesmo em frente ao parque de estacionamento à entrada da cidade e do Souk, tem um delicioso Kebab e os locais fazem questão de parar por lá, experimente.

 

COMO CHEGAR: De Muscat a capital partem autocarros da estação de Ruwi. O primeiro às 8h da manhã e o segundo às 14h30h. No sentido inverso, o primeiro às 9h e o segundo às 16h45. A paragem dos autocarros de Nizwa é longe do centro (7km) se apanhar um táxi não pague mais de 1 OMR se for sozinho ou 300Bzs se for partilhado.

ONDE DORMIR: Há poucas opções de alojamento em Nizwa e as que há são todas fora do centro, pode ver aqui no site Booking.com.

26 Comments

  • Reply

    Rui Quinta

    4 Abril, 2017

    Conheci hoje o vosso blog e estive a ler a vossa viagem pelo Irão, país que quero muito conhecer. Adorei a história do Omid 🙂

    Boas viagens!

    Rui Quinta, Rui de Viagem

    • Reply

      projecto100rota

      5 Abril, 2017

      Olá Rui, seja bem vindo! Muito obrigado. O Irão é mesmo assim heheh Boas viagens

  • Reply

    Salvador Neto

    12 Abril, 2017

    Sou do Brasil e conheci seu blog ocasionalmente por um post compartilhado no facebook. Estou adorando ler o seu relato de viagem a esse país tão singular e maravilhoso!

    • Reply

      projecto100rota

      14 Abril, 2017

      Olá Salvador, muito obrigado pelo seu comentário, fico feliz por saber que está a gostar.Abraço!

  • Reply

    Juliana Rios (Juny)

    27 Maio, 2017

    Primeira vez que vejo um post sobre Omã. O país parece ter uma cultura muito rica!
    Bem interessante os detalhes sobre o Goat Market.

    • Reply

      projecto100rota

      27 Maio, 2017

      Olá Juliana, sim tem uma cultura rica ainda. Boas viagens !Obrigado

  • Reply

    Fabia Fuzeti

    27 Maio, 2017

    A cidade realmente tem charme, mas não é deslumbrante… concordo com você, o mercado pareceu a coisa mais impressionante! deu vontade de colocar na lista de experiências antes de morrer…

    • Reply

      projecto100rota

      28 Maio, 2017

      Ola Fabia, sim o mercado é uma boa experiência, boas viagens!

  • Reply

    Cristina Souza da Rosa

    28 Maio, 2017

    Muito legal o teu relato. Bonitas fotos. Não sei se ia curtir este mercado de animais! Mas parece bem interessante.

    • Reply

      projecto100rota

      28 Maio, 2017

      Obrigado Cristina !

  • Reply

    rui batista

    28 Maio, 2017

    Vejo que Omã está cada vez mais nos roteiros internacionais… começa a despertar-me a atenção 🙂 Gosto destes mercados seculares… transportam-nos a outros tempos 🙂

    • Reply

      projecto100rota

      28 Maio, 2017

      Olá Rui, sim, no meio de um Omã que mudou tanto devido ao petróleo, estes mercados ganham relevãncia. Boas viagens!

  • Reply

    Lid Costa

    28 Maio, 2017

    Estou gostando bastante da série de posts que voces estao fazendo sobre o Oma, um lugar que nao é nem um pouco alvo do nosso turismo, mas que tem tanto para oferecer ne?

    • Reply

      projecto100rota

      1 Junho, 2017

      Tem mesmo Lid Costa ! Boas viagens!

  • Reply

    Claudia Bins

    29 Maio, 2017

    Adoro experiências de viagem assim autênticas, ainda mais de tipos tão singulares e exóticos à nossa cultura ocidental. Parabéns pela bela viagem e pelo lindo post.

    Claudia Bins

    • Reply

      projecto100rota

      1 Junho, 2017

      Obrigado Claudia!

  • Reply

    Carla Mota

    29 Maio, 2017

    Quando visitei Omã não consegui ver o Mercado de Gado. Fiquei cheia de pena. Tenho a certeza que ia adorar. Acho que deve ser o ponto alto da cidade.

    • Reply

      projecto100rota

      1 Junho, 2017

      Pois eu li que não pudeste ir, sim tenho a certeza também, foi o ponto alto de Nizwa, sem ser à sexta aquilo é paradote hehehe

  • Reply

    Anderson Kaiser

    29 Maio, 2017

    Eu adoro mercados, de rua, antigos, em locais históricos. Me parece que tenho um novo na minha lista. Conheço bem pouco (quase nada pra dizer a verdade) sobre Omã, mas gostei bastante do seu relato.

    • Reply

      projecto100rota

      1 Junho, 2017

      Obrigado Andersom, em Nizwa vá á sexta feira ao mercado, aí sim vale a pena!

  • Reply

    Adoro quando me deparo com um texto assim, que me leva para outro mundo, outra dimensão, que me faz esquecer de onde estou fisicamente! Esse foi um passeio extraordinário e custa-me a crer que acontece de verdade em algum lugar distante de mim! 🙂

    Quero sim, muito, ver tudo isso que, entrou em meu imaginário através de suas palavras, ao vivo e em muitas cores.

    Em tempo, as fotos estão bárbaras!

    • Reply

      projecto100rota

      1 Junho, 2017

      Vá Analuiza! E se for a Nizwa tem de ir a uma sexta sem dúvida!Obrigado pelas palavras, boas viagens!

  • Reply

    Contramapa - Diana

    29 Maio, 2017

    Belas imagens, um país com muito por descobrir ainda. Gostei bastante do mercado das cabras.. e parece mesmo uma festa!

    • Reply

      projecto100rota

      1 Junho, 2017

      Ui Diana, aquilo é a loucura, mas só vale a pena à sext, hehehe Boas viagens

  • Reply

    Filipe Morato Gomes

    20 Setembro, 2017

    Mercados, mercados, adoro!!!…. 🙂 Está anotado: sexta-feira é dia de estar em Nizwa. Depois conto como foi 😉

    • Reply

      projecto100rota

      9 Outubro, 2017

      É um dia que vale mesmo a pena Filipe, em Nizwa não tem nada a ver uma sexta de um outro dia da semana. Abraços.

Deixe uma resposta