Albânia

Albânia- Cidade de Shkoder

Meus caros, durante a minha pré-pesquisa à região dos Balcãs, fiquei com a percepção de que os pontos altos da viagem, ou, recorrendo a um estrangeirismo os “highlights“, seriam: Sarajevo na Bósnia-Herzegovina Albânia no seu todo. Agora, e depois de algum tempo após a viagem as dúvidas (se é que exisitiam) dissiparam-se completamente.

Por agora pretendo falar-vos da minha passagem pela Albânia. Algumas vezes associado a assuntos menos…sérios, para mim a Albânia, mais do que séria foi honesta e generosa. Cheguei aqui de transporte público (Mini-BUS) vindo de Kotor-Montenegro. Diga-se de passagem que não achei nada barata a viagem, paguei quase 20€ para percorrer 150km até à primeira grande cidade Albanesa, Shkoder.

Foi uma viagem agradável. Fez-me companhia uma jovem turca de Istambul que falava bastante e grande parte do tempo de política e do seu mal-amado presidente. São os privilégios de quem viaja por transportes públicos.

Chegámos à fronteira com a Albânia ainda antes da hora de almoço. Logo na fronteira: obras, trânsito, estrada esburacada, pessoas…algum caos, até um “bunker“, senti-me logo noutro universo, e senti de novo aquela excitação de viajar como só tinha tido à chegada a Mostar na Bósnia-Herzegovina

Sem me querer alongar muito em detalhes históricos e geográficos, a Albânia é um país situado a sul do Montenegro e do Kosovo, a Oeste da Macedónia e a Noroeste da Grécia. É um dos países mais pobres da Europa, viveu dezenas de anos fechado ao mundo a partir dos anos 40 devido à política isolacionista dessa personagem caricata, e louca o ex-presidente Enver Hoxha. Talvez possa afirmar que o seu maior legado terá sido a construção de milhares de “bunker’s” construídos por todo o país para se defenderem de um possível ataque nuclear.

Notem que apenas só em meados dos anos 90 a Albânia paulatinamente se começa a abrir ao mundo e a mostrar que muito tem para nos dar em belezas naturais, cultura, comida e hospitalidade.

Tinha planeado para a Albânia os seguintes pontos:

-Cidade de Shkoder

-Tirana (a capital)

-Berat 

-Valbona 

Cumpri todos, com ligeiras alterações no número de noites em cada. Comecemos por Shkoder:

Shkoder é uma das mais antigas cidades dos balcãs e uma das mais importantes da Albânia, mesmo culturalmente e também politicamente tendo sido aqui um pólo bastante forte de oposição ao anterior regime. Fica situada no Norte da Albânia junto ao lago com o mesmo nome que faz fronteira com Montenegro e com uma desafogada vista sobre os Alpes Albaneses.

Shkoder-Albânia com os Alpes Albaneses ao fundo

Foi uma cidade que me surpreendeu a todos os níveis. Vejo ruas cheias de vida e energia, muitos jovens a passear, muito comércio tradicional. Lojas de roupa, oficinas, mercearias, serralheiros, carpineteiros, cafés com muito estilo…bom, não fora eu saber onde estava, se me tivessem colocado aqui de pára-quedas, jamais diria que estava na Europa. Ficarei alojado num fantástico hostel bem no coração da cidade. Senti-me tão bem e feliz  com tudo que decidi imediatamente ficar mais uma noite mesmo sabendo que teria que abdicar de outra noutro lugar.

Depois do check-in e de um duche resolvo descansar um pouco, falar com a família e depois percorrer a pé a zona histórica. Acredite em mim, Shkoder tem uma áurea muito agradável. A começar desde logo pelas suas ruazinhas pedonais cheias de esplanadas com cafés e restaurantes com decorações de muuuuito bom gosto, inclusivé com alguma uniformização de publicidades para não deturpar a arquitectura dos edifícios históricos. Estás a perceber Leiria ? (desculpem, é um desabafo em tom crítico à minha cidade)

Início da Rua pedonal principal de Shkoder

E olhem, os preços…ai os preços…que me dizem a comer uma pizza em forno a lenha de tamanho familiar por 4€ ? Ou um prato de esparguete à bolonhesa por 3€ ? Sim, porque aqui na Albânia existe uma forte influência do seu vizinho do adriático a, Itália. Obrigado aos deuses. O melhor da Itália a preços (quase) da Índia. Lá se foi a dieta. No entanto aconselhado pelo jovem que estava na recepção do hostel fui “convidado” a provar uma iguaria local chamada”crap”. Por favor não traduza à letra do inglês para português o significado desta palavra.

O QUE É O “CRAP” ? Bom,  “crap” é o peixe mais comum que os albaneses pescam no lago shkoder. Por aqui fritam-no, juntam-lhe batatas fritas e/ou pão com um intenso queijo de cabra e para ajudar à festa podem beber uma cervejinha fresca “Tirana“, tudo na módica quantia de 4€. Poderão experimentar a iguaria apenas junto ao lago à saída da cidade junto ao altaneiro castelo de Rozafa. Foi o que fiz para ganhar forças para subir a pé a sua colina.

Situado a cerca de 4km do centro de Shkoder o Castelo de Rozafa  foi sabiamente construído no topo de uma colina onde não só podem ter as vistas daquela foto sobre os Alpes lá em cima no post, mas também do Lago Shkoder e de todo o vale no sentido oposto. Daqui dificilmente algum inimigo passaria despercebido.

Uma das vistas do castelo de Rozafa

Demorei aqui o mais que pude, o que quer dizer que fiquei até ao fecho. Durante algumas horas a minha companhia foi “apenas” um casal de pastores que por ali andava com o seu rebanho de ovelhas a “aparar” a relva do interior do castelo. Ecológico e silencioso. Um exemplo.

Com vistas espectaculares sobre a cidade e o Lago Shkoder, o castelo de Rozafa foi fundado pelos ilírios na antiguidade e reconstruída muito mais tarde pelos venezianos e depois pelos otomanos. Pouco mais além disto fiquei a saber sobre estas ruínas, a não ser uma curiosa história sobre a origem do nome “Rozafa”. Diz-se que “Rozafa” seria uma mulher que foi “sepultada” nas muralhas como oferenda aos deuses para que a mesma permanecesse sempre firme e de pé.

 Visto de fora o castelo parece não ser nada de extraordinário, mas as vistas compensam sem dúvida alguma. Vá ao fim da tarde de preferência.  O bilhete que custa somente 1.50€ vai parecer-lhe muito pouco, principalmente à saída…

Por falar em saída, como fui a pé de novo desde o castelo até ao centro da cidade, dei de frente com mais um “bunker“, este com a particularidade de estar situado em pleno jardim de uma casa. Mais tarde pelas minhas viagens pelas “excelentes” estradas albanesas aprendi que isso é mais comum do que ver relva no próprio jardim.

Sorrio. Fica só para mim. Este país é surreal por vezes. Não é só mais um país. Termina o meu primeiro dia na Albânia e fico com um sorriso. Um sorriso interior e exterior.

É um país pobre sem dúvida, muito pobre, nota-se isso nas ruas com bastantes crianças pedintes e nalgumas zonas falta de saneamento e cuidado com os lixos, principalmente à saída das cidades.  Nos transportes é a confusão não havendo por exemplo estações rodoviárias e poderemos até partilhar o acento com uma jaula com galinhas ou mesmo uma cabrinha ou ovelha no corredor. Os comboios pararam definitivamente. O trânsito é louco (mas não tão louco como muitos pintam). As estradas lembram Portugal talvez nos anos 80.

Mas não sorrio por isto. Sorrio porque apesar de tudo isto vejo felicidade, vejo vida, vejo bons museus, vejo surpreendentemente centros históricos bem conservados com ruas acessíveis aos peões lotados de jovens em esplanadas com vontade de puxar as coisas para “riba” e um grande orgulho no seu país. Tem de ser. Haverá outra forma de dar a volta ?

 E ainda não falei das paisagens e das belezas naturais. Mas isso é no próximo post. Um tal de sítio chamado de Valbona nos tais Alpes Albaneses, e em que o melhor acesso é por um ferry que já foi considerado uma das mais bonitas viagens de barco do mundo. Sabiam ? Viva a Albânia.

20 Comments

  • Reply

    Luiz Jr. Fernandes

    10 Junho, 2017

    Que lugares lindos! Tenho muita vontade de fazer um tour de 50 dias pelo máximo de países do leste europeu que conseguir visitar. Sem dúvidas a Sarajevo está na lista! Abração!

    • Reply

      projecto100rota

      10 Junho, 2017

      Olá Luiz, acho que faz muito bem em incluir Sarajevo, eu pelo menos adorei, boas viagens!

  • Reply

    Anderson Kaiser

    10 Junho, 2017

    Um lugar bem interessante, com certeza. Confesso que conheço pouco sobre o destino, mas me despertou o interesse, ainda mais para conhecer a região da costa, que me parece bem legal.

    • Reply

      projecto100rota

      10 Junho, 2017

      Anderson, a Albânia é um diamante em bruto, e na Europa já não se vê disto. Boa viagem!

  • Reply

    Pedro @travelwithpedro

    11 Junho, 2017

    Adorei! Estive na Albânia há quase 10 anos, mas não cheguei a ir a Shkoder. Tenho visto que está se tornando bem popular, então tenho que ir conhecer muuuito em breve!

    • Reply

      projecto100rota

      11 Junho, 2017

      Olá Pedro, talvez esteja ficando mais popular mas de pessoal mochileiro, já que o país é bem barato ainda. De resto vi poucos turistas. Abraço e boas viagens!

  • Reply

    Lua Ferreira

    11 Junho, 2017

    Ótimo post! Sempre bom ler sobre destinos que sabemos pouco…e ficar com vontade de conhecer hehe certamente vou considerar a Albânia em uma próxima viagem ao leste europeu.

    • Reply

      projecto100rota

      11 Junho, 2017

      Considere Lua, se gosta de destinos um pouco fora a Albânia é um “Must to see” !

  • Reply

    Rayane

    11 Junho, 2017

    Que lugar lindo! Adoro esses roteiros foram do comum… sempre nos trazem grandes aprendizados e um jeito diferente de ver que o mundo é bem maior do que a gente imaginava. Tá aí, vou colocar Albania na lista! Parabéns pelo post, adorei!

    • Reply

      projecto100rota

      12 Junho, 2017

      Obrigado Rayane, coloca na lista sim! a Albânia (ainda) é um destino bem fora da caixa, aproveite!

  • Reply

    Gosto muito de ler sobre esses lugares, digamos assim, inusitados, diferentes dos locais a que estamos mais acostumados, que quebram padrões e preconceitos e nos modificam. Um viva aos viajantes como tu, que abrem estradas para que outros como eu, possam seguir.

    • Reply

      projecto100rota

      12 Junho, 2017

      Obrigado Analuiza, eu gosto sim especialmente de conhecer primeiro lugares menos usuais, sobretudo porque tudo terá tendência a ser um pouco igual em todo o lado com isto da globalização. Manda-te para a Albânia ! é um país com coisas muito bonitas apesar de não ser o mais fácil de visitar.Boas viagens!

  • Reply

    Ana

    12 Junho, 2017

    Não conheço rigorosamente nada desta zona – estou impressionada. A verdade é que a zona dos Balcãs ainda não é um destino muito comum! Mas as paisagens verdes dos pastos são qualquer coisa, ao ponto de ter de rever várias vezes a tua primeira imagem até perceber se era fotografia ou um quadro (e mesmo assim continuo com dúvidas…)!

    • Reply

      projecto100rota

      12 Junho, 2017

      haha obrigado Ana, pois eu adoro aquela foto, tirei do meu telemóvel lumia pois a máquina roubaram-na em Frankfurt.Era um casal que guardava ovelhas no interior do castelo…A Albânia é algo à parte na Europa. Vou voltar de certeza!

  • Reply

    Claudia

    12 Junho, 2017

    Gostei muito do relato! Sabia quase nada sobre a Albânia e agora fiquei muito curiosa. Vou acompanhar os próximos posts.

    Clau

    • Reply

      projecto100rota

      13 Junho, 2017

      São poucos os que sabem muito sobre a Albânia, o que, não deixando de ser um país na Europa é surpreendente.

  • Reply

    Mariana

    12 Junho, 2017

    Fiquei curiosa quanto a Valbona! De fato, a Albania é um destino que pouco ouço falar, ainda há muito o que ser explorado. As fotos estão lindas e só aumentam a vontade de embarcar rumo a essas paisagens que parecem tão bucólicas! Fico ansiosamente aguardando pelo próximo post!

    • Reply

      projecto100rota

      13 Junho, 2017

      Obrigado Mariana, espero corresponder e aumentar ainda mais essa vontade de conhecer este país da Europa.Boas viagesn!

  • Reply

    Que interessante ler sobre um lugar totalmente desconhecido para mim. E que bom que, apesar da pobreza, você viu felicidade por lá!

    • Reply

      projecto100rota

      13 Junho, 2017

      Sim vê-se pobreza, não miséria, a Albânia é supreendente! Boas viagens!

Deixar uma resposta